Financiando um livro por crowdfunding

crowdfunding

Em 2005 eu escrevi um livro e, em eras pré-ebook (o máximo que existia eram PDFs que ninguém lia), eu fiz o caminho normal, que todos faziam: mandei imprimir 500 livros, com a minha grana, e então comecei a vendê-los. O resultado? Eu vendi poucos, dei um monte, tive prejuízo e minha mãe me enche o saco até hoje, quando eu vou na casa dela, perguntando o que ela faz com aquele monte de livros enfiados no armário que eu não sei o que faço e que tenho dó de dar fim.

Em 2013 os tempos são outros, é possível lançar livros digitalmente, por um custo muito inferior. Entretanto, além das pessoas ainda gostarem dos livros físicos, ele ainda tem diversos outros custos, como revisão, diagramação, capa, ilustrações e por aí vai. E como fazer para bancar isso sem ter que por a mão no bolso e arriscar a ficar com a conta para pagar?

No meu novo livro, “Quebrando: aprendendo com os erros dos outros”, eu resolvi fazer o caminho inversos, primeiro captar o dinheiro para pagar os custos do livro e só então “montá-lo” para a venda. Mas dá para fazer isso? Dá sim, por financiamento coletivo ou, como é mais conhecido, crowdfunding.

O financiamento coletivo (crowdfunding) consiste na obtenção de capital para iniciativas de interesse coletivo através da agregação de múltiplas fontes de financiamento, em geral pessoas físicas interessadas na iniciativa. O termo é muitas vezes usado para descrever especificamente ações na Internet com o objetivo de arrecadar dinheiro para artistas, jornalismo cidadão2, pequenos negócios e start-ups, campanhas políticas, iniciativas de software livre, filantropia e ajuda a regiões atingidas por desastres, entre outros. – Via Wikipedia

E eu consegui financiar o livro! Coloquei como objetivo R$ 2.500,00 e levantei R$ 3.085,00, ou seja minha meta foi alcançada com uma gordurinha de R$ 585,00. Agora, eu já contratei revisores e diagramadores para preparar a versão impressa e a digital do livro, que será entregue no começo de 2014 para os colaboradores e então, colocada à venda na Amazon, apenas na versão digital.

Por todos esses motivos, eu acho que foi uma ótima e válida experiência, da qual não me arrependo, e por isso mesmo indico para outros interessados. Neste embalo, é legal colocar aqui algumas dicas minhas para quem quiser tentar financiar algo por meio de crowdfunding, sobre situações que eu percebi no transcorrer desta jornada:

1. A principal coisa é fazer as contas muito bem feitas! É preciso entender que existe uma comissão cobrada pelos intermediários (no caso do Catarse é 13%) e que existem outros valores indiretos, como correios, embalagens e outros.

2. A ideia tem que ser muito bem apresentada, de preferência visualmente. Um bom vídeo é fundamental (o meu é um lixo) e deve ser curto, dois minutos no máximo. Imagens bonitas e fotos também ajudam a vender o projeto.

3. A primeira rodada de financiadores (os primeiros dias) precisa ser composta por pessoas próximas de você. Convença eles a te apoiarem, pois estranhos só vão apoiar seu projeto se verem que ele tem apoiadores e, consequentemente, chance de sucesso.

4. Sim, você vai ser o primeiro apoiador, para tirar o R$ 0,00 do projeto.

5. Divulgue, divulgue, divulgue. Mande emails e publique nas suas redes. Mas não exagere, uma vez no começo, uma no meio e outra quando o objetivo estiver quase no final é legal.

6. Seja cara de pau, peça para as pessoas apoiarem e divulgarem.

7. Se o seu projeto obtiver alguma divulgação externa, com certeza os números vão subir. No meu caso, eu não consegui, acho que o Catarse não foi com a cara dele 🙁

8. Escolha muito bem as recompensas e tenha diversas faixas de valores. Nenhum valor é baixo demais, nenhum valor é alto demais. Tá, alguns valores são altos demais, no meu caso as cotas de R$ 250,00 e R$ 350,00 foram esgotadas rapidinho, mas acho que uma cota de R$ 1.000,00 ficaria em aberto.

9. Além das diversas faixas de valores, dê opções de recompensas.

10. Dê algo que a pessoa não possa ter depois. Eu ofereci livros impressos que não serão mais publicados, mas também ofereci o nome na lista de financiadores dentro do livro, isso tem um valor grande para pessoas que gostam de colaborar.

Tem uma ideia ou projeto parado, que não tem grana para financiar? ‘Bora usar o crowdfunding com ele e tirar da gaveta, com certeza você o financiará. Bem, a não ser que ele seja um jogado de futebol de R$ 17 milhões, daí eu acho que vai ser um pouco mais complicado.

 

Comentários

  1. Leandro novembro 8, 2013 at 12:11 am

    Cara qual o seu livro que ta parado na casa da sua mãe?
    vc podia mandar ele de brinde pra quem comprou o livro fisico heimm seria uma boa.

Leave a Reply