O Marketing onde você nem imagina onde ele está

Pé na areia
Pé na areia

Quando eu comecei a pensar em fazer um MBA em Marketing, cerca de um ano e meio atrás, eu estava receoso. Na minha cabeça, Marketing tinha tudo a ver com aquele curso que ficava no mesmo bloco que o meu na faculdade, chamado Publicidade e Propaganda. Então eu me questionava: não trabalho com propaganda, nem gosto disso e ainda não manjo  porra coisa nenhuma de Corel, Photoshop, essas coisas.

Daí, me inteirando mais sobre o assunto, descobri que marketing é muito mais do que isso. Indo mais longe, com o curso, eu descobri que marketing era muita coisa que eu fiz (ou deveria ter feito) durante o tempo que trabalhei como gerente comercial na Sunshade. Não é meu interesse, até por falta de capacidade técnica, de explicar o que é marketing, mas eu posso dizer agora que ele está em muitos lugares, no nosso dia a dia, e muitas vezes a gente faz isso sem perceber.

Neste feriado de Páscoa eu fui para Florianópolis passar alguns dias. Sol e mar, tudo o que eu queria era um lugar pra sentar e ver o mar, tomando uma cerveja gelada e comendo camarões. E para isso, comecei a caminhar pela praia e tudo parecia a mesma coisa: uma barraquinha com cadeiras e guarda-sóis, servindo cerveja e frutos do mar. Para “piorar”, uma ação da Skol (marketing) pintou a praia de amarelo.

E o que você faz num caso assim? Quase sempre escolhe ao acaso, não? Afinal, barraca de praia virou commoditie, certo? Então, praticamente. Mas daí, em minha caminhada, já cansado de andar, decidi parar na primeira que encontrasse, porém esta primeira estava tocando bem alto um desses sertanejos universitários, o que me levou a mudar de ideia. Andei alguns passos e, no meio desse barulho escutei algo que pareceu bem mais agradável.

Parei para ouvir, e reconheci que estava tocando New Order. Nos poucos segundos que parei em frente da barraca para reconhecer a música, um atendente veio e nos convidou para sentar. Olhei para minha namorada e decidimos sentar.

Então, o que no meio desse monte de barracas, esta pode ensinar sobre o marketing? Vejamos:

– No meio de todas aquelas barracas tocando o som do momento, aquela decidiu tocar só os clássicos dos anos 80. Certo, mas é uma minoria que gosta disso, mas o marketing não ensina que quando você precisa se diferenciar da maioria, uma das estratégias é encontrar um nicho de mercado? Pois bem, no meio daquela multidão de pessoas, é difícil encontrar 20 ou 30 grupos de pessoas de saco cheio de ouvir música ruim, pautando a sua escolha pela trilha sonora? Comigo funcionou.

– Nos segundos que paramos, na dúvida, fomos abordados pelo atendente. Ele soube perceber a nossa dúvida e deu o bote. Mais, disse que podíamos sentar, não tinha custo, só pagava o que consumir. Ok, não tem nada demais, mas o discurso foi perfeito: primeiro ofereceu a vantagem, depois o custo.

– Um dia a minha namorada pediu uma porção de macarrão, porque é vegetariana e não havia muitas opções. Ele trouxe e, como cortesia, trouxe também um pouco de salada. Quanto custa três folhas de alface, duas rodelas de tomate e um pouco de cenoura ralada? Centavos, mas eles não tinham obrigação de trazer. Porém, esse “mimo” a encantou.

Pois é, duvido que eles sabiam o que estavam fazendo, mas souberam focar em um nicho de mercado, conquistar e manter o cliente. E fizeram bem feito, porque voltamos mais dois dias lá. Isso é o marketing, pelo menos é o que eu acho que seja. Não são regras, gráficos e autores, são atitudes. Porque muito se estuda, mas se esquece de um detalhe: pessoas são pessoas, aqui no Brasil, nos EUA, na Mongólia e em alguma ilha ainda perdida no meio do Pacífico. E o que pessoas querem é serem agradadas, encantadas. Querem se sentir confortáveis e felizes.

Portanto, se eu precisasse definir o marketing em apenas uma palavra seria “pessoas”. Lembre-se, se você agradar uma pessoa você terá um cliente. Se você encantar uma pessoa terá um advogado da marca. E existem diversas formas de você conseguir isso, basta encontrar aquilo que você é bom e mãos à obra. Ou talvez você já faça isso, sem nunca ter passado nem em frente à prateleira de livros de marketing de uma livraria. E, de repente, você é um melhor marketeiro que muito formado.

Ah, e se você estiver na Praia dos Ingleses, procure o Bar Baridade. A música é boa, a cerveja é gelada e a maré vai até você.

 

 

Leave a Reply